Estudantes de Niterói relatam memórias e sentimentos durante o isolamento social

Por: Verônica M. de Oliveira
Capa da do livro Páginas da Quarentena

A pandemia rendeu lançamento editorial que traduz os sentimentos de 35 estudantes de uma das mais importantes escolas de Niterói. “As páginas da Quarentena”, editado pela equipe de professores do Instituto GayLussac e lançado no início de setembro, reúne memórias e experiências despertadas ao longo desses seis meses de isolamento social. 

São 72 páginas com textos autorais que exploram ao máximo as reflexões dos alunos que viram, da noite para o dia, o ambiente rico da escola se reduzir a uma tela de computador. Essa é uma abordagem, inclusive, da professora e orientadora de Língua Portuguesa, Karla Faria no prefácio da obra. 

“De repente, não mais que de repente’, o GayLussac estava na casa, pela tela do computador, acolhendo e proporcionando segurança e um pouco da rotina perdida”, escreve.

Impossível não deixar de refletir que esse é um momento histórico na vida da Humanidade e, dessa forma, a publicação se encarrega de eternizá-la na memória dos jovens escritores. 

“Sob a orientação e estímulo dos professores e professoras, meninas e meninos escolheram a palavra para extravasar os sentimentos que esse período histórico provoca”, conforme Karla escreveu em outro trecho do prefácio. 

Em um desses textos, a aluna do 9º ano, Maria Fernanda Chianello Ramos do Nascimento, transmitiu em suas palavras um pouco das angústias trazidas pela quarentena. Entretanto, ela não deixa de buscar um aspecto positivo, que está relacionado ao orgulho de superar esse momento. Para Maria Fernanda, a pandemia suscitou o melhor e o pior das pessoas em algumas situações cotidianas.  

veronica e sua mae A quarentena nas páginas de um livro
luna do 9º ano, Maria Fernanda Chianello participou da coletânea. A mãe, Claudia Chianello, destaca a importância de um projeto como esse para ajudar a “tornar este momento mais suave para todos nós”. (foto arquivo pessoal)

Para a sua mãe, Cláudia Chianello, foi uma grata surpresa receber em casa três exemplares do “Páginas da Quarentena” e ainda ter a grata satisfação de ver o texto da Fefa, como carinhosamente a chama, entre os escolhidos. “O que mais me toca é justamente essa dedicação da equipe de professores e funcionários em tornar esse momento mais suave pra todos nós. Se eu já admirava a escola, agora então!”, reflete.

Com ilustração criativa do aluno Gabriel Gava, o livro tem tudo para se tornar um marco de uma fase difícil sim, porém permeada por inúmeras possibilidades de produção intelectual. “Tenho certeza que eles vão lembrar com todo carinho de uma fase difícil, mas acreditando que muitas adversidades podem ser amenizadas com amor e acolhimento”, destaca Cláudia Chianello.