Guilherme Kauã se
consolida como representante da nova geração de artistas 
kAU25C325832B 2Bfoto2Bdivulga25C325A725C325A3o A Juventude do Samba
Um talento em ascensão
(fotos divulgação e reprodução facebook)
Era
uma vez um menino de 3 anos de idade, que ao escutar sambas-enredo na casa da
tia, sonhava um dia cantar como aquelas vozes firmes e vibrantes que ecoavam
nas gravações. Hoje, dez anos depois, Guilherme Kauã já pode dizer que conquistou
esta vitória: aos 13 anos, ele integra pelo quarto carnaval consecutivo a
equipe do carro de som da Unidos do Viradouro.
 
Morador da Zona Norte de Niterói,
Guilherme Kauã deu os seus primeiros passos profissionais na agremiação verde-e-branca
Acadêmicos do Cubango, aos 10 anos de idade. “O Presidente Pelé deu a
oportunidade e ele agarrou unhas e dentes”, conta a mãe, Giselle Nunes,
grande incentivadora e que acompanha de perto a evolução da sua carreira. De
2011 a 2016, ele foi intérprete na Tijuquinha do Borel, escola Mirim da Unidos
da Tijuca.
Comandando2Bo2Bcavaquinho2Bna2BVizinha2BFalareira2B 2Bfoto2Breprodu25C325A725C325A3o2Bfacebook A Juventude do Samba
Comandando o cavaquinho na Vizinha Faladeira
Paralelo à paixão e envolvimento
com o Samba, o menino iniciou aos seis anos aulas de bateria na Igreja
Socorrista.  Horas de estudo de cavaquinho,
violino, violão canto, percussão fazem parte da sua busca pelo conhecimento e
técnica no mundo da Música. Atualmente, Kauã é aluno exemplar de Violino e
Violão na Escola de Música Villa Lobos.
desde2Bmuito2Bpequeno252C2BKau25C325A32Bfoi2Bficando2Bconhecido2Bnas2Bprincipais2Brodas2Bde2Bsamba2Bdo2Beixo2BRio Niter25C325B3i2B 2Bfoto2Bacervo2Bpessoal A Juventude do Samba
Desde pequeno, Kauã faz sucesso nas rodas de samba
Além de cantar com os intérpretes
da Unidos do Viradouro, Kauã é cavaquinista na Vizinha Faladeira – uma das mais
tradicionais agremiações do Rio de Janeiro. Ele divide seu tempo também entre apresentações
solo e  ao lado do Grupo “Encontro
de Gerações do Samba”, nas diversas casas de shows e rodas de samba em
todo o estado do Rio. E não pára por aí: em 2017, o jovem artista comemora mais
uma conquista. Ele foi convidado para trabalhar na Equipe Machine como operador
de carro de som no Sambódromo.
“O samba pra mim é uma
paixão incontrolável. Agradeço a todas as pessoas que me ajudam, me aconselham
e me abrem oportunidades, em especial ao José Carlos Machine, o
“síndico” da Sapucaí;  Zé Paulo
Sierra, intérprete da Viradouro; e ao compositor Marquynhos Diniz, entre muitos
outros apoiadores. A gente se dedica, mas sem o apoio de cada pessoa, os sonhos
não poderiam ser realizados”.
No2Bensaio2Bt25C325A9cnico252C2Bele2Bse2Bprepara2Bpara2Bo2BCarnaval2B20172B 2Bfoto2Breprodu25C325A725C325A3o2Bfacebook A Juventude do Samba
Nos ensaios técnicos da Unidos do Viradouro
Guilherme Kauã já teve seu
talento e dedicação reconhecidos por várias entidades: já foi condecorado com
uma Moção de Aplausos na Câmara Municipal de Niterói, e ocupa a cadeira
Patronímica de Nelson Cavaquinho pela ANBA – Academia Niteroiense de Belas
Artes, Letras e Ciência. Além disso, ele ganhou prêmios de destaque ” Pop
Star ” de 2013 a 2016.
Com pouca idade e o currículo
extenso, Kauã consegue manter a humildade e o “pé no chão”. Como canta
no samba-enredo da Unidos do Viradouro para o Carnaval 2017, ele é a prova real
que “Todo Menino é um Rei”, com “os sonhos nos acordes da
canção”.