A jornalista
Suzana Moura apresenta importantes reflexões sobre o mundo da Moda
Suzana2BMoura2B 2Bfoto2Bdivulga25C325A725C325A3o "Quem fez minhas roupas?"
A jornalista Suzana Moura (foto acervo pessoal)
A sociedade está baseada em uma lógica de produção
e consumo acelerados. Somos estimulados o tempo inteiro à compra através do
lançamento de novos produtos por uma perspectiva assustadora. O lucro e a
satisfação pessoal chegam em primeiro lugar, deixando de lado questões
relevantes como a responsabilidade social e ambiental.
A moda nos estimula como consumidores, com novas
tendências e coleções a cada dia, e nos obriga a pensar que precisamos comprar desesperadamente,
seja devido aos preços baixos ou apenas pelo simples fato de comprar. Além
disso, outro fator caminha lado a lado com o consumo: a vida. Já parou para
pensar em quem está do outro lado das vitrines? Quem são as pessoas que costuram
as peças de alta costura tão desejadas e que permeiam as páginas de revista e
as passarelas pelo mundo?
Uma tragédia em Bangladesh, na Ásia, no dia 24 de
abril de 2013, ganhou os noticiários e trouxe à tona um tema ainda intocável, o
trabalho escravo, aquele que lemos nos livros de história… Aquela prática que
apesar da abolição internacional, ainda sobrevive como atividade
ilegal que submete suas vítimas a abusos não tão diferentes daqueles dos
feitores de antigamente.
WhatsApp2BImage2B2018 04 212Bat2B5.11.232BPM "Quem fez minhas roupas?"
Suzana Moura, Manoela Castro e Patricia Sant’anna
em roda conversa da Rio Fashion Revolution
(foto divulgação)
Assim nasceu o Fashion Revolution, movimento
criado por líderes da indústria da moda sustentável que se uniram depois do
desabamento do edifício Rana Plaza e que deixou 1.133 mortos e 2.500 feridos.
Pessoas que se submetiam a trabalhar de forma abusiva e insalubre, pelo fato de
não ter oportunidade. Essas são as pessoas que fazem as peças de grandes marcas
e aquelas que compramos na “lojinha” e que custa “baratinho”. O movimento atua
em mais de 90 países atualmente e tem seu grande momento de reflexão e conscientização,
nos meses de abril, onde debates, palestras, eventos, e tantas outras
manifestações vêm somar em prol da vida. Estamos na semana do Fashion
Revolution Week e através de ações mostramos que é possível fazer uma moda
justa.
Costumo sempre citar em meus bate papos, sejam
informais ou não, o desabafo de uma grande amiga que trabalha no segmento da
moda há quase 20 anos e em um determinado momento de sua carreira pensou: “Não
quero mais fazer uma moda que deixa minhas mãos sujas de sangue!” O objetivo
do Fashion Revolution é aumentar a conscientização sobre o verdadeiro custo da
moda e seu impacto em todas as fases do processo de produção e consumo,
mostrando ao mundo que a mudança é possível sim e que através da união dos
envolvidos na criação de um futuro mais sustentável, conseguimos criar conexões
exigindo transparência das marcas.
Com o slogan simples e direto “quem fez minhas
roupas?”, o movimento aborda temas relevantes e traz à tona uma realidade
que não é mostrada, ao contrário, é ignorada. Fomentamos o debate para uma moda
consciente, ética e humana. E você, já se fez essa pergunta?
Suzana
Moura é jornalista com extensão em Marketing Digital e Assessoria de Imprensa e
Comunicação. Está a frente do “Ainda Uso”, canal de moda e
comportamento consciente que discute o consumo e é a primeira assessoria de
imprensa, comunicação e consultoria para empresas de cunho sustentável.

Tagged: , , , ,