Dobradinha do diretor com o
produtor Jordan Peele estreia no Brasil dia 22 de novembro e tem sessões
programadas para o Festival do Rio, incluindo em Niterói. Vencedor do Grande Prêmio do Júri em Cannes, filme renova a carreira de Lee e
pode ser forte candidato na corrida ao Oscar

Marcella Vieira*
blackkkla f01cor 2018110390 Baseado em uma história real dos anos 1970, 'Infiltrado na Klan' é um Spike Lee necessário e assustadoramente atual
De documentários a curtas, de clipes musicais e
séries de TV, além, é claro, dos filmes. Muitos filmes. Spike Lee é,
definitivamente, um diretor prolífico. E tudo isso combinado à já
tradicionalíssima presença que ele sempre marca nos jogos de seu amado time de
basquete de Nova York, os Knicks (em 2016, ele estava lá, torcendo no Madison
Square Garden, em plena noite do… Oscar). E nessa potente carreira que já
ultrapassa três décadas, é natural a existência de altos e baixos, de momentos
de maior ou menor reconhecimento. Com “Infiltrado na Klan”, filme que ganhou o
prestigiado Grande Prêmio do Júri no Festival de Cannes, Lee mostra mais um de
seus talentos: a capacidade de reinvenção. Nesse caso, ele conseguiu um auxílio
luxuoso ao se unir com o badalado ator, diretor e roteirista Jordan Peele, do
sucesso de 2017 “Corra!”. Peele é um dos produtores de “Infiltrado…” (cujo
ótimo título original é “BlacKkKlansman”), o que é um empurrão mais do que
bem-vindo à carreira de Spike Lee para as novas gerações. Não à toa, sua
carreira ganha uma interessante retrospectiva em mostras simultâneas que
ocorrerão nos Centros Culturais Banco do Brasil de Rio, São Paulo e Brasília,
nos meses de novembro e dezembro. 
 Com uma pegada vintage,
um turbilhão de referências, baitas homenagens a personagens e ativistas negros,
incrível trilha sonora e cenas repletas de ritmo, o filme não decepciona e
mantém uma conexão muito especial com o público, seja ele formado por fãs do
diretor ou por uma nova geração que talvez sequer o conhecesse. É um filme pop
por excelência, das roupas às músicas, passando pelas boas (sempre
contundentes, nunca exageradas ou fora de hora) piadas. Quando citamos essas
características, a impressão é de um filme de tema leve e banal. Ao contrário,
o que dá sustentação a tudo isso não tem qualquer leveza: é a história real, ocorrida
no final de década de 1970, do policial negro Ron Stallworth– o primeiro a
ingressar no Departamento de Polícia da cidade de Colorado Springs, no estado
do Colorado – que se infiltrou na filial do grupo racista KuKluxKlan em sua
cidade.
blackkkla f03cor 2018110390 Baseado em uma história real dos anos 1970, 'Infiltrado na Klan' é um Spike Lee necessário e assustadoramente atual
O trabalho de investigação foi feito em parceria
com o colega FlipZimmerman, policial branco que se passava por Stallworth nas
reuniões do grupo. E é essa parceria que garante momentos excelentes, ora
engraçados, ora tensos, nas relações que os dois estabelecem com a KKK. Os
absurdos e preconceitos horrendos que ambos ouvem e presenciam (Zimmerman, que
é judeu, é obrigado a ouvir barbaridades antissemitas quando está na companhia
dos membros da organização) em nome da investigação são de embrulhar estômagos.
Mas eles persistem em prol de uma ação maior, que consegue, inclusive, deter
ações de violência que vinham sendo planejadas pelo grupo. Em meio a tudo isso,
Stallworth ainda equilibra um início de relacionamento com Patrice, uma jovem ativista
do movimento negro estudantil.
 O trio principal de atores carrega seus papeis com
uma vivacidade bonita. Eles são claramente bem dirigidos e sabem dar nuances a
seus personagens. John David Washington (da série “Ballers”) empresta de tudo a
seu Ron Stallworth: carisma, leveza, esperteza, ousadia, insegurança. Adam
Driver – o KyloRen nos novos filmes da saga Star Wars, ator hipster que virou galã improvável com a
série “Girls” e que vem acumulando trabalhos com grandes diretores como
Scorsese e Steven Soderbergh – também carrega bem o misto de desconforto e
ojeriza que a investigação causa em seu personagem com um sentimento crescente de
parceria (apesar de alguns estranhamentos) em relação a seu colega. Laura
Harrier, que despontou no cinema com “Homem-Aranha: De Volta ao Lar”, dá vida a
uma Patrice sempre desconfiada de Ron, sempre alerta em relação às brutalidades
da polícia com os negros e lealmente apegada aos ideais do movimento estudantil
do qual fazia parte.
 Os coadjuvantes do filme, incluindo os membros da
KKK e os demais colegas de Departamento de Polícia de Ron e Flip, compõem muito
bem a loucura que parecia ser a investigação. Um dos policiais, o engraçado
Jimmy Creek, é interpretado por Michael Buscemi, irmão de Steve Buscemi. No
outro polo, o ator Paul Walter Hauser mostra que vem se especializando em fazer
o estilo whitetrash (ele já havia
roubado a cena com um tipo parecido em “Eu, Tonya”). E é com a ajuda desses
personagens secundários que entram diálogos muito bem afiados com aquela que
parece a clara proposta do filme: atualizar uma história que tem quase 40 anos.
Em um desses diálogos, o sargento Trapp, chefe direto dos dois policiais,
conversa com Ron sobre as grandes possibilidades de um futuro presidente dos
EUA corroborar as barbaridades defendidas pela KuKluxKlan, mas de um jeito mais
palatável para o grande público americano. A política sendo usada para vender
ódio. Stallworth não acredita e seu chefe devolve: “Para um negro, você é muito
ingênuo”. Nem é preciso dizer que Trapp adivinhou em cheio. A propósito, numa
das casas onde se dava um encontro de integrantes da Klan, uma foto da campanha
de Ronald Reagan (presidente Republicano dos Estados Unidos de 1981 a 1989)
estampava a parede. 

Assista ao trailer de Infriltrado na Klan

E é essa a mira de Spike Lee o tempo todo no filme:
fazer com que, muito tristemente e muito desconfortavelmente, transportemos
vários daqueles discursos para os dias de hoje, para os políticos (em
altíssimos cargos, diga-se de passagem) de hoje, para o ódio que permeia as
relações políticas de hoje – e de tantos outros tempos. Nessa trajetória da
improvável história do policial infiltrado, o diretor mostra seus tons de
ativismo (algo que tanto tentam criminalizar lá e aqui), incomoda e emociona em
vários momentos. O depoimento de um personagem fictício interpretado pelo
grande Harry Belafonte; a exibição de “O nascimento de uma nação”, filme do
início do século XX cultuado por racistas norte-americanos, em uma cerimônia da
KKK; a câmera quase colada nos rostos dos atores numa bela homenagem aos filmes
da Blaxploitationsão alguns dos
muitos exemplos do misto de sentimentos que o diretor consegue causar na
plateia ao longo do filme. Os links ficam completos com as cenas finais do
filme: assustadoramente reais e recentes, muito recentes.
 Um dos tantos personagens da Klan que causa
profundo incômodo é David Duke, ex-líder (real) da organização racista, negador
do Holocausto e figura (ainda) proeminente entre os supremacistas brancos dos
EUA. Sua fala lenta e supostamente mansa é carregada de ódio e preconceito. E
assim ele carrega uma legião de seguidores, como o casal Kendrickson, que reúne
a dona de casa supostamente simpática e inofensiva ao sujeito paranoico e
misógino, ambos racistas até os últimos fios de cabelo.
 Aliás, se o nome de David Duke está soando familiar
para o leitor, há razões bastante atualizadas: ele foi uma das vozes da marcha
de supremacistas em Charlotsville, em 2017. E há poucas semanas, durante o
período eleitoral, seu nome esteve em voga em diversos veículos de imprensa do
Brasil por ele ter elogiado, em seu programa de rádio, um dos então candidatos
à Presidência. Em suas declarações, Duke afirmara que o político “soa como nós”
e é “um nacionalista”. Não é difícil adivinhar de quem ele falava.
“Infiltrado na Klan” está previsto para
estrear no Brasil dia 22 de novembro, com distribuição da Universal Pictures.
Antes, o filme tem mais três exibições no Festival do Rio, incluindo uma em
Niterói. Confira os dias, horários e locais:
 7/11
(quarta-feira) – 18h30 – Reserva Cultural Niterói (sala 1)
9/11
(sexta-feira) – 16h – Estação NET Ipanema (sala 2)
10/11
(sábado) – 18h40 –Kinoplex São Luiz (sala 2)
*Marcella
Vieira, jornalista, está na cobertura do @Festival do Rio pelo Jornal Casa da
Gente.  

1 thought on “Baseado em uma história real dos anos 1970, ‘Infiltrado na Klan’ é um Spike Lee necessário e assustadoramente atual

  1. Interessante, você gostou do filme? É excelente, sinto que história é boa, mas o que realmente faz a diferença é a participação do ator Adam Driver neste filme. Eu o vi recentemente em Lucky Logan Roubo em Família, você viu? A participação do ator foi fundamental. Adorei, pessoalmente eu acho que é um dos top filmes comedia que nos prende. A historia está bem estruturada, o final é o melhor! Sem dúvida a veria novamente, se ainda não tiveram a oportunidade de vê-lo, eu recomendo. Cuida todos os detalhes e como resultado é uma grande produção.

Comments are closed.