A Festa Literária de Niterói – FLINIT – confirma a vocação cultural da cidade

Texto e fotos Verônica M. de Oliveira

FLINIT2B 2Bfoto2BVeronica2BM.2Bde2BOliveira2B2B252822529 Niterói: uma cidade literária
Uma iniciativa bem-sucedida
elevou Niterói à categoria de cidade capacitada para sediar uma feira
literária. A primeira FLINIT – Feira Literária de Niterói, realizada no Praia
Clube São Francisco no início deste mês de dezembro, reuniu 70 expositores e proporcionou
uma clara demonstração de que os niteroienses têm valorizado cada vez mais
ações em prol da cultura da cidade. Foram três dias intensos, com lançamentos
de livros, sessões de autógrafos, oficinas para crianças e saraus de poesia,
entre outras atividades. Por lá passaram nomes importantes da literatura como
Joaquim Ferreira dos Santos, Mauro Ventura, Bruno Drummond, Silvio Barsetti e
Paulo César Araújo.
De acordo com os organizadores,
Celso Possas Júnior e sua filha Juliana a FLINIT foi organizada para atender a
todos os gostos literários, das crianças aos adultos, além de promover a
salutar convivência entre autores e leitores. “Nosso objetivo é apresentar a
produção literária de Niterói e da região metropolitana do Rio, assim como
estimular a leitura entre os jovens”, vaticinou.
FLINIT2B 2Bfoto2BVeronica2BM.2Bde2BOliveira2B2B252812529 Niterói: uma cidade literária
Entre os expositores estavam o jornalista
Luiz André Alzer que, em conjunto com outro colega de profissão Bruno Thys, fundou
a Máquina de Livros. Trata-se de uma editora especializada em histórias reais
ou não, mas que primam pela linguagem jornalística sensível e objetiva, sem
deixar de lado a agilidade na concepção da obra. Alzeratuou na mediação dos
debates que reuniram autores como, Joaquim Ferreira dos Santos, Mauro Ventura,
Paulo César de Araújo, Bruno Drummond, Sílvio Barsetti e Leonardo Bruno. Após o
debate, a editora lançou na feira a obra, “Uma vida de luta – a incrível
história do padre que resgatou a devoção a São Miguel”, com a presença do
escritor Leonardo Bruno e o Padre João Cláudio. Os escritores Mauro Ventura e
Sílvio Barsetti também autografaram, respectivamente, “O espetáculo mais triste
da Terra” e “A farra dos Guardanapos”, esse último editado pela Máquina de
Livros.
FLINIT2B 2Bfoto2BVeronica2BM.2Bde2BOliveira2B2B252842529 Niterói: uma cidade literária
Em contrapartida, a FLINIT também
contemplou os escritores locais. É o caso de Neuza Feijó, de 77 anos, autora do
livro “Saber não sei, mas posso te ajudar!”, que contou a trajetória de uma
criança envolvida no incrível resgate de suas raízes históricas, apresentando a
esse público, desde cedo, a relevância do exercício da pesquisa. Em sua sétima
obra, ela contou a felicidade que está sentindo pela boa aceitação das crianças
sobre o assunto exposto. Além da linguagem de fácil compreensão, o livro conta
com ilustrações atraentes ao perfil do leitor. 
“O interessante é presenciar o momento em que a criança se descobre na
trama, atentando também para a necessidade da pergunta ‘quem sou eu?’ incutida
no livro”, argumentou.
Em contrapartida, a feira
literária presentou jovens escritores como Bruna Paiva, de 20 anos, que lançou
“Um Diário para Alice”. Ela iniciou na literatura aos 13 anos de idade, quando
começou a escrever um diário pessoal. A etapa seguinte envolveu a criação de um
blog para compartilhar seu dom com outras pessoas. Aos 16 anos já lançava dois
contos em antologias por editoras de São Paulo. E, em 2015, quando completou 17
anos, foi premiada com o título de melhor conto de terror daquele ano.
Publicado inicialmente online em uma plataforma específica, o livro “Um Diário
para Alice” ganhou a versão impressa através do sistema crowdfunding, mediante
iniciativa da própria autora. “Essa é minha primeira feira com livro físico e
está sendo uma satisfação ter esse contato com os possíveis leitores da minha
trama”, ressaltou.
FLINIT2B 2Bfoto2BVeronica2BM.2Bde2BOliveira2B2B252832529 Niterói: uma cidade literária
A presença da oficina de textos
Bebel Pantaleão na FLINIT selou uma parceria da empresa com os organizadores no
sentido de contribuir não somente na formação de leitores, como também na
concepção de futuros escritores através do domínio da escrita. Para Márcia
Pantaleão foi fundamental marcar presença institucional na primeira edição do
evento, não com o cunho comercial, mas como apoiador de
uma ação dessa envergadura. “É fundamental que nós incentivemos a literatura.
Por isso, entramos como patrocinadores”, afirmou. O jornalista Bruno Thysrefletiu
também sobre a expressividade da iniciativa. “Para uma cidade importante como
Niterói, com uma população de quase 600 mil habitantes, é importante a
existência de um evento literário desse porte”, contemporizou. Ele conta que
foi um orgulho a Máquina de Livros marcar presença nessa edição e vaticinou que
a editora estará nas próximas.