Conheça os
candidatos à Prefeitura de Niterói
Dia 2 de outubro, 370.958 eleitores estão
convocados às urnas no município de Niterói para decidir qual será o prefeito
que governará a cidade nos próximos 4 anos, além de votarem também nos
candidatos a vereador.
Para auxiliar na tarefa de escolher o líder do
poder executivo municipal, o CASA DA GENTE realizou um especial com o perfil de
cada candidato, bem como suas principais propostas para a cidade.
image É momento de decidir
Rodrigo
Neves (PV)
Comte Bittencourt (vice)
Coligação “Pra seguir em Frente”:  PV / PDT / PC do B / PTN / PRB / PT / PSL / SD
/ PTB / PMDB / PPS / PP / PRP / PEN / PMB / PRTB / REDE / DEM / PR
Rodrigo Neves, 40 anos, é formado em
Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense (UFF), casado com
a pedagoga Fernanda Sixel, com quem tem três filhos. Integrou a União
Niteroiense de Estudantes Secundaristas (Unes), onde defendeu bandeiras
como o passe-livre,  foi líder do movimento pela ética na política, que
ficou conhecido como movimento “dos caras pintadas” em Niterói.
Foi o vereador mais jovem da cidade, aos 21
anos, em 1998. Em 2004, participou de sua terceira eleição para vereador, sendo
o candidato mais votado de Niterói. Em 2006, elegeu-se deputado estadual,
sendo reeleito em 2010. Como secretário estadual de Assistência Social e
Direitos Humanos, em 2011, criou
o Renda Melhor, programa de combate à pobreza extrema.
Em 2012, foi eleito prefeito de Niterói e agora
concorre à reeleição. Este ano, recebeu o prêmio concedido pelo Sebrae de
melhor prefeito pelo biênio 2015/2016.
Principais
propostas:

o lema da campanha “é seguir em frente com as conquistas alcançadas neste
primeiro governo em diferentes setores”. Na saúde, Neves coloca como meta
transformar a maternidade Alzira Reis em referência, assim como foi feito com o
Getulinho. Implantar o programa Remédio em Casa, que garante medicamento
gratuito em até 48 horas para quem está sendo atendido pela rede municipal de
saúde. Municipalizar a área do antigo Hospital Santa Mônica e criar o Centro de
Exames de Imagens de Niterói, com ultrassonografia e raios-X gratuitos.
Na Educação, Rodrigo defende a implantação do
horário integral em 20 escolas do ensino fundamental e ampliar a oferta de
vagas na faixa de zero a 3 anos, dando continuidade a todo o programa
desenvolvido nesta gestão com a construção e reforma de creches e escolas.
Na segurança, a proposta é de continuar
ampliando o efetivo da Guarda Municipal, chegando a mil homens, com mais
investimento na implantação das câmeras e dos portais de segurança nas entradas
e saídas da cidade.
A mobilidade urbana também está em foco, com a
continuação do projeto da TransOceânica, implantação do VLT, além da construção
dos terminais de integração, incluindo o Largo da Batalha e o aumento da malha
cicloviária.    
Para saber mais:  www.rodrigoneves43.com.br
 Twitter: @_RodrigoNeves_
 Instagram: rodrigoneves43

Felipe2BPeixoto2B 2Bfoto2Bdivulga25C325A725C325A3o É momento de decidir
Felipe
Peixoto
Vice: Antônio Rayol
Coligação “Cidade Limpa”: PSB, PSDB,
PTdoB, PSDC, PTC, PPL, PMN, PSD, PROS, PSC e o PHS, que caminha com o PSB
Felipe Peixoto é niteroiense, tem 39 anos, 30
deles dedicados à militância política em busca de melhorias para a população,
em especial, de Niterói. Formado em Administração pela UFF e em Direito pela
Unilasalle, Felipe é também especialista em Direito Público pela Escola
Superior da Advocacia da OAB. Sua trajetória política começou no PDT, onde
ficou até março deste ano. Desde março está no PSB como presidente da Executiva
Municipal.
O início de sua militância foi cedo, aos 9 anos,
fundando em sua casa um comitê mirim para a campanha de Darcy Ribeiro a
governador do Rio de Janeiro pelo PDT, em 1986. Toda a sua adolescência foi
marcada pelo ativismo político e luta no Movimento Estudantil, tendo
participado, inclusive, do “Fora Collor”.
Aos 21 anos, ele assumiu a Subsecretaria
Regional de Icaraí e esteve à frente do “Niterói com Segurança”, um dos
movimentos populares pioneiros na área e mais expressivos na cidade. Concorreu
a uma vaga na Câmara Municipal em 2000, e assumiu o mandato com apenas 23 anos.
Na ocasião, apresentou projetos voltados aos estudantes, à preservação das
lagoas e à retomada do processo de planejamento urbano. Felipe se reelegeu por
mais dois mandatos: 2004 e 2008, quando foi o vereador mais votado de toda a
história de Niterói, com 8.206 votos.
Felipe concorreu e foi eleito deputado estadual
em 2010 com mais de 30 mil votos. No ano seguinte, assumiu a então recém-criada
Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca
(Sedrap), onde permaneceu até 2014, articulando importantes projetos para o
estado e, particularmente, para o Leste Fluminense. Em 2015, Felipe
Peixoto assumiu a Secretaria de Estado de Saúde por um ano, com a missão de
estabelecer uma gestão de reestruturação administrativa.
Principais propostas: a
bandeira da candidatura de Felipe Peixoto é trabalhar por uma cidade limpa.
“Mas é limpa de violência, de corrupção, de lava jato, da falta de remédios, de
buracos nas ruas e também de sujeira”, explica o candidato. A Segurança é uma
das prioridades do Programa de Governo que começou a construir em março deste
ano, quando assumiu a presidência da Executiva Municipal do partido em Niterói
e deu início a dezenas de encontros com representantes de praticamente todos os
segmentos da cidade, base para a definição dos 14 temas a serem tratados no
ciclo de debates da Agenda 40, estratégia do PSB Nacional para a elaboração de programas
colaborativos.  
O ciclo de
reuniões abertas resultou em mais de 1.200 reclamações e ideias, compiladas em
cerca de 200 propostas do Programa de Governo de Felipe Peixoto, que tem como
prioridade projetos voltados para a segurança.  Dobrar
o número de policiais patrulhando as ruas da cidade com a retomada
do Programa Estadual de Integração da Segurança (Proeis), promover ações de integração entre as polícias
Civil, Militar e Federal e Guarda Municipal, com reuniões periódicas e
abertas à população para avaliar a evolução do mapa da segurança e definir
ações conjuntas, e criar uma
corregedoria geral na prefeitura estão entre suas principais
propostas.
Na
educação, o programa prevê a ampliação
em duas horas, de 17h para 19h, do horário de funcionamento das creches e
escolas. “Vamos implementar
nessas duas horas atividades extras como reforço e aulas de línguas
estrangeiras. O objetivo é proporcionar aos pais que trabalham fora mais
tranquilidade para buscarem os filhos na escola, e ao mesmo tempo diminuir o
período que as crianças ficam nas ruas sem ocupação”, explica Felipe.
Para saber mais: http://felipe40.com.br
Facebook: Felipe Peixoto
Twitter e instagram: felipepeixotobr
DSC 1216 É momento de decidir
Flávio
Serafini (PSOL)
Regina
Bienenstein
(vice)
Coligação Mudança de Verdade – PSOL / PCB –
Número 50
Flavio Serafini, 36 anos, é niteroiense,
professor de Sociologia, deputado estadual pelo PSOL do Rio de Janeiro. Foi professor-pesquisador
da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio da Fundação Oswaldo Cruz
(EPSJV/Fiocruz).
A sua história com a militância social começou
cedo, aos 16 anos, em defesa do passe livre e do acesso à cultura. Como
estudante da UFF fez parte do Diretório Central dos Estudantes, afirmando
sempre a defesa da Educação Pública e necessidade de ampliação do acesso à
universidade.  Além do trabalho como Professor da rede municipal e
estadual desde, após 2007, se dedicou à fundação e construção do PSOL em
Niterói, sendo presidente do Partido por duas gestões.
Destacou-se na cidade com a luta permanente
contra o aumento das barcas e dos ônibus, além de ser atuante nas mobilizações
em apoio às vítimas da tragédia das chuvas de 2010, mais conhecida como a
Tragédia do Morro do Bumba, mas que teve sérias consequências em mais de 20
comunidades. Na ocasião, foi responsável por criar o Comitê de Solidariedade
aos Desabrigados de Niterói.
Foi candidato à prefeitura de Niterói em 2012. Seu
mandato como deputado é marcado por atuação em frentes como educação, saúde e
meio ambiente. Na Alerj, preside a Comissão Especial da Baía de Guanabara e a
Frente Parlamentar do Transporte Aquaviário e apresentou emendas parlamentares
para Niterói.
Principais
propostas:

Segundo Serafini, a saúde pública de Niterói tem como um de seus
principais problemas a precarização do trabalho. Por isso,
pretende combater a privatização da saúde em todos os âmbitos, extinguindo
o sistema das Organizações Sociais (OSs) e reduzindo ao máximo as
terceirizações, a partir da realizações de concursos. 
Outro ponto importante é a educação. O programa
prevê a ampliação dessa rede, assumindo os CIEPs abandonados e construindo
escolas mais amplas. Mais creches, escolas de primeiro grau e
bibliotecas em Niterói,transformar o espaço escolar, garantir
a educação integral e valorizar os profissionais são medidas
fundamentais a um setor tão sensível ao futuro da juventude em Niterói.
Valorização dos profissionais do ensino e ampliação do quadro técnico e
administrativo por meio de concurso público também são medidas consideradas fundamentais. 
Quanto ao transporte e à mobilidade, priorizar o
fortalecimento do transporte público de massa e gratuito, eficiente e
confortável, combinando com a racionalização do transporte individual
automotivo e o transporte individual por meios não motorizados.
Danielle
Bornia
vice: Heitor Fernandes
Coligação: não há
danielle2Bbornia É momento de decidir

Danielle Bornia é trabalhadora da
Rede Municipal da Educação de Niterói, militante feminista e LGBT. Iniciou sua
militância no movimento estudantil na UFF, e sempre se destacou pela “defesa
dos setores dos oprimidos na cidade de Niterói”, em especial na luta das
mulheres, contra o machismo e a exploração que assola a vida das trabalhadoras.
Única candidata mulher à prefeitura de Niterói, defende as causas das mulheres,
negros e LGBTs.

Principais propostas: a campanha do PSTU se
coloca como um ponto de apoio para as lutas e a organização da classe operária,
dos trabalhadores, da juventude e do povo pobre, dos bairros populares, da
periferia.
O
partido defende a unificação das lutas e construção de uma Greve Geral, apresentando
propostas emergenciais e uma saída operária e socialista para a crise. “Os
ricos é que devem pagar pela crise. Hoje, os donos das fábricas, dos bancos,
das construtoras, dos supermercados são os donos das cidades e do poder. Nós
queremos Niterói nas mãos dos trabalhadores e trabalhadoras e do povo pobre”.
dentre as propostas, destacam-se a criação de
empregos através
de
um
plano de
obras públicas necessárias, como saneamento básico, postos de saúde, escolas a
serem construídas por
 uma
empresa municipal de obras 100% pública e estatal, controlada pelos
trabalhadores; garantia emergencial de cesta básica pela prefeitura para todo
(a) desempregado; isenção de pagamento de luz, água, IPTU e passe-livre em todo
transporte público para os desempregados
Na
educação, garantir vagas para todas as crianças em creches e escolas públicas
de qualidade, bem como lutar pela democracia nas escolas para que professores e
a comunidade escolar possam debater e decidir em nível do município o projeto
pedagógico, a gestão pública da mesma e eleger diretamente sua direção, combatendo
assim projetos retrógrados e autoritários como o “Escola sem Partido”, evitando
a evasão escolar, aumentando a qualidade do ensino público.
Na Segurança Pública, o projeto defende o fim da PM,
com a Polícia Civil unificada eleita e controlada pela comunidade. Além disso,
combate ao racismo, ao machismo, à LGBTfobia, à xenofobia.
Para saber mais: