unnamed Grafite, uma arte urbana
Grafiteiros em ação (foto Rudá Albuquerque)
 Rudá Albuquerque 
(especial para o Casa da Gente)

Outro dia, ao passar pela Av. Roberto Silveira, em Icaraí, Zona
Sul de Niterói, me deparei com duas pessoas “grafitando” e fui fotografá-las.
Ao me aproximar, percebi que não eram brasileiros, e sim,  americanos. Indaguei-os sobre os motivos que
os fizeram sair de sua pátria. Os “grafiteiros” responderam que em
seu país o “grafite” é considerado um ato de vandalismo, diferente
do  Brasil, onde existem leis que liberam
o ato de “grafitar” em muros abandonados.
Um traço marcante e que perdura veio à tona no momento de fotografá-los:
eles não queriam ter seus rostos fotografados. Eles ainda carregam a
“marca” do preconceito de estarem fazendo algo considerado errado.

unnamed3 Grafite, uma arte urbana
Crianças também participam (foto Rudá Albuquerque)
Valorização
Em junho, ocorreu um evento no Caminho Niemeyer, em Niterói, que
comprova a valorização do nosso Estado para com a arte urbana. O encontro
contou com a presença de diversos grafiteiros que tiveram a oportunidade de
deixar seus traços artísticos em grandes bolas dispostas pelo gramado. No mesmo
local, haviam outras manifestações artísticas urbanas, como “Dança de
Rua” e Skate. Este é um ensaio fotográfico que fiz no
local. (Rudá Albuquerque 
tem 14 anos, ama fotografar e se interessa pela arte do grafite desde os 8 anos)
Tagged: , ,