Dr.%2BWaldenir%2Bde%2BBragan%25C3%25A7a%252C%2Btamb%25C3%25A9m%2Bex presidente%2Bda%2BAMF%252C%2Bconfere%2Bo%2Bacervo%2Bdo%2Bamigo%252C%2BDr.%2BAlcir%2BVicente%2BVisela%2BCh%25C3%25A1car%2B %2BFOTO%2BDIVULGA%25C3%2587%25C3%2583O%2B %2BVERONICA%2BMARTINS%2BDE%2BOLIVEIRA Livro promete importante resgate histórico para Niterói
Dr. Waldenir de Bragança, também ex-presidente da AMF,
confere o acervo do amigo, Dr. Alcir Vicente Visela Chácar 
(foto divulgação/ Verônica Martins de Oliveira)

A Associação Médica
Fluminense se prepara para conquistar uma biografia à altura do seu passado
histórico e de engajamentos em torno das causas médicas. Freqüentado por
importantes figuras do cenário niteroiense e até internacional, a entidade, que
também é conhecida como a Casa do Médico, guarda uma relíquia em termos de
acontecimentos importantes para a preservação histórica da cidade de Niterói.
A ideia inicial de escrever
a obra surgiu no ano passado no café da manhã promovido pela AMF em homenagem
ao dia do médico, comemorado em 18 de outubro. Na ocasião, o médico pediatra
Dr. Alcir Vicente Visela Chácar revelou em uma roda de conversa o seu apreço
por toda a história da AMF e a sua iniciativa de perenizar todos os momentos
marcantes da entidade por cinco décadas, através de fotos e recortes de jornais.
Estava lançada a primeira semente da ideia de escrever o livro.
Presidente da Associação
Médica Fluminense, entre 1977 e 1981, Dr. Alcir, juntamente com a gestora do
projeto, Maria Gomes, os assistentes Anderson Monteiro e Carlos Eduardo
Monteiro de Lima e a jornalista Verônica Oliveira, estão comprometidos com a
tarefa de dar forma a esse relevante trabalho. Ao longo da obra, os leitores
poderão conhecer momentos marcantes na história da AMF, como os bastidores da
vinda do médico Albert Bruce Sabin, que esteve no Brasil à convite da
presidência da Associação, com o objetivo de erradicar a poliomelite no país.
O pontapé inicial para
contar essa rica trajetória da AMF será o arquivo pessoal do Dr. Alcir Visela
Chácar, que, recentemente, foi homenageado pela Casa com a inclusão do seu nome
na galeria de ex-presidentes da entidade em sua sede na Avenida Roberto Silveira,
número 123, em Icaraí. Nada mal para um jovem que, aos 13 anos, abandonou a
família em Campos para seguir com seu tio rumo a Niterói em busca de um ideal:
se formar em Medicina.
O livro está em fase inicial
e, além do acervo do pediatra, também utilizará como fonte de pesquisa,
arquivos históricos e outros recursos que se fizerem necessário. Porém, os
organizadores convidam a classe médica e a população em geral para que, se
tiverem alguma foto ou documento que possa agregar valor à obra, os acionem via Facebook ou pelo e-mail [email protected]
. Os devidos créditos serão concedidos àqueles que contribuírem com o trabalho
de resgate histórico.